sábado, 14 de outubro de 2017

Expectativas

Quando a vontade ultrapassa obstáculos, e a fome é tão grande que só o teu alimentos é capaz de saciar.

Um sensação ou esperança de que dessa vez:
A voz vai ser calmante
 O colo chegada
O Abraço porto
O falo água
O gozo encontro

Seja como for já vale essa vontade, o sangue pulsando de esperança
e medo
e esperança
Uma espera que alimenta o coração e faz o corpo querer tudo.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Não é pra mim. ( O não lugar)

Não sei descansar, ou ficar de papo pro ar esperando a noite chegar..
Não sei amar passiva esperando o outro lado vir me buscar. Nem entrar no lugar de cabeça baixa para os olhares não cruzar..
Não sei ser morna, mais ou menos tenho dificuldade em esperar e respirar e deixar a raiva passar.
Nada aqui é meu.
Nada é feito pra mim.
Na maioria dos olhos sou feia, fera, desqualificada,  triste, suja.
Não me define também, não é meu lugar nem pertence.
Todos os meus pensamentos são práticos e ao mesmo tempo confusos. Como diz Cartola "preciso me encontrar"


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Gosto

Gosto de ir fundo mergulhar. Eu gosto assim quando o coração e corpo pedem e a mente não tem tempo de racionalizar de procurar senões. Gosto assim sem analizar riscos por ques. Gosto do risco da reciproca de afeto gritado, berrado, boca suja, desejo puro, desejo é lindo com romance alvoroço urgência, brincadeira a qualquer hora. É eu gosto assim.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Caminhando

Uma energia muito forte te trouxe aqui por um bom motivo, uma luz tão forte que rege vibrações de outras tantas mais brandas, outras na aparência  até sem luz.
Porém não lhe enviou só; Mandou contigo muitas guerreiras e guerreiros chamas que não se apagam se continuares a soprar o ar necessário para ser combustível a elas.
Não te esqueças que seja qual for o momento e dor que passes foram escolhas feitas por ti, para que quando estiveres novamente próxima a luz regente sua chama esteja mais brilhante. Agradeça as angustias elas te tornam atenta e solidaria as angustias alheias, fosse sempre brando teu coração cresceria menos. Agradeça as dúvidas se todos seus passos fossem dados sabendo exatamente para onde vais, perderia a vontade de ir muitas vezes e não desfrutaria as pequenas surpresas e belezas do caminho, acreditando que já sabias onde ia dar. O tempo é força que não se mede apenas se sente, o caminho é bem longo e não para por aqui bem sabes, os abraços que tens são os melhores abraços o calor de teus companheiros te aquecera sempre que se fizer frio em teu interior.
És forte, brava e fiel, quedas só aumentam suas melhores características por isso cai tanto e sempre levanta melhor de cada tombo e apesar disso achas que nada aprendeu  esse é um bom ensinamento seu.  

terça-feira, 25 de abril de 2017

Cleia a favela e todas nós.

A opressão vem de onde?
É bomba de gás vinda da farda.
É porrada vinda do parça.
Luta pra ter trabalho
Luta pro trabalho não te sugar, te matar sem ao menos te sustentar.
Ter força pra sonhar, aguardar um no dia, um abraço há confortar.
Um amor pra ameniza, nem isso vai rolar.
Levanta o braço, vá lutar.
Entra na guerra vença pra talvez um dia sonhar, caminhar sem medo, ter direito de estar. Para de duvidar do direito de estar viva acreditar na capacidade de pensar de voar de cantar de amar de sonhar.
Mas por hora se contente em lutar.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

?

Que é?
Que é que tá olhando?
Se assustou?
Quer que eu te sirva um cafezinho?
Que limpe o chão para os senhores passarem?
Quer que eu nine o seu bebê?  Enquanto o meu sangra na quebrada?
O que é que vocês querem?
Que eu desapareça pra não ver essa sujeira de gente estragando a paisagem, atrapalhando à visão.
A paz? Há quer paz então?
Eu quero é guerra!
Me prende, pode me levar. Comida podre e porradas não me faz mau não. Eu não tenho alma. Pode usar o que quiser. Só espera eu dar um trago e depois me leva.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Liberdade

Esses grilhões, aqueles mesmos que foram quebrados e por não saber bem como andar sem eles, insisto em amarrar de volta aos meus pés e assim ter motivos visíveis, tornar mais simples explicar ao outro e a mim a dificuldade do meu caminhar.
A extensão da corrente é o meu mundo, ao me soltar dela tenho que reaprender o caminhar livre.